Canguçu, sábado, 24 de fevereiro de 2018, 05h29
Compartilhe:
ESPAÇO DO LEITOR - 30/10/2017
Um causo por acaso, de André Pereira
Foto: André Pereira
E quanto mais histórias ou piadas sabemos, mais pessoas interessadas em ouvi-las, desejando estarem próximas pela expectativa de uma convivência divertida e agradável
E quanto mais histórias ou piadas sabemos, mais pessoas interessadas em ouvi-las, desejando estarem próximas pela expectativa de uma convivência divertida e agradável
E quanto mais histórias ou piadas sabemos, mais pessoas interessadas em ouvi-las, desejando estarem próximas pela expectativa de uma convivência divertida e agradável

Na era dos memes, basta a junção entre um texto e uma imagem engraçada para que uma piada ganhe o mundo... Mas e onde estariam aqueles bons contadores de histórias e piadas que todos nós gostávamos de ouvir?

Na verdade todos conhecemos um bom contador de histórias. Aquele amigo ou parente que consegue prender a atenção de todos simplesmente com as coisas que fluem de forma muito fácil de sua imaginação. Muitos destes contadores de histórias são também bons piadistas. E contar piada parece fácil, mas exige um nível de espontaneidade que não é acessível a todos.

Além de o sujeito ter que saber valorizar o exagero de cada situação engraçada (escutar o barulho da grama crescendo, ou do tapete desbotando são coisas possíveis em uma piada). E nem sempre o cara que escreve sobre humor, por exemplo, é um bom piadista na vida privada. O autor gaúcho Luis Fernando Verissimo, que fez esquetes para programas de sucesso na televisão, como Analista de Bagé, já disse que não tem o dom de contar piadas.

Abrindo aqui um parêntese, não é por ser meu parente, mas um dos melhores contadores de piadas (e causos) que conheço está em minha família. Trata-se de um tio que consegue fazer passar uma tarde, ou até um dia, entremeando conversas um pouco mais densas — geralmente trechos de sua própria vida — com um variado e sempre atualizado repertório de piadas.

De onde vem este tipo de vocação é um mistério, mas penso que é uma necessidade de fazer amizades, de agregar pessoas ao seu redor. De diminuir o sentimento de solidão que em alguns momentos nos visita. Porque quanto mais amigos temos menos sentimo-nos sós. E quanto mais histórias ou piadas sabemos, mais pessoas interessadas em ouvi-las, desejando estarem próximas pela expectativa de uma convivência divertida e agradável.

Há alguns anos li uma biografia do autor gaúcho Moacyr Scliar,  onde o autor discorre mais profundamente sobre essa necessidade que temos de ouvir ou ler histórias, onde  confessa que muito do nosso inconsciente está contido naquilo que contamos, e que a história contada tem três funções: imaginarmos como era o passado, mesmo de forma resumida ou caricata, preenchendo assim lacunas sobre nós mesmos e atribuindo  um significado ou valor especial ao passado; repassar regras e paradigmas entranhados nas narrativas ( vide as parábolas bíblicas); e, por último, estabelecer vínculos afetivos.

Ainda segundo o autor, a forma de narrativa literária mais perfeita é exatamente a do conto, que está mais próxima do gênero humano de contar e ouvir pequenas histórias, e que vai de encontro com a raridade com a qual nos deparamos com um bom contador de causos, ainda mais causos engraçados.   Guri de Uruguaiana e Neto Fagundes são dois bons exemplos de piadistas e bom contadores de causos; Simões Lopes Neto foi um grande contista sério, mas que nem por isso dispensava o recurso do humor. 

André Pereira da Silva é escritor canguçuense, e tem em seu currículo quatro obras publicadas: "Súbito Despertar em Copacabana", "Poder e Imagem", "A Poetisa e o Caçador" e "O  Dom Quixote Farroupilha".

Confira também:
Vida além da vida: Invente a cada dia
Vida além da vida: Ressaca moral
Leitora reclama dos prejuízos com a estiagem
Leitor do Iguatemi relata prejuízos com a forte estiagem
Hospital de Caridade é contemplado com R$ 10 mil do Troco Amigo
Vida além da vida: Perdão liberta
João Popó comemora seus 108 anos
Prezado leitor:
- Para enviar um comentário, é preciso possuir uma conta no Facebook e fazer login nela.
- O comentário é de inteira responsabilidade do autor da mensagem e não representa a opinião do site Canguçu On Line.
 
  • Canguçu On Line
  • Canguçu On Line
ENQUETE
Você é a favor ou contra o cancelamento do Carnaval de Rua 2018?
Sou a favor, o dinheiro economizado poderá ser investido em outras prioridadades
Sou contra, o município perde dinheiro, pois a população acaba saindo da cidade

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
23.02.18
Polícia prende dois homens com motos...
23.02.18
Por que a gasolina chega ao consumid...
23.02.18
LM Baterias com deslocamento grátis ...
23.02.18
Funerária Santo Antônio: 50 anos de ...
23.02.18
Senna Auto Center: manutenção preven...
23.02.18
Verão na Estillosa com descontos de ...
22.02.18
Lojas abrem até as 18h neste sábado...
22.02.18
Sexta-feira é dia de uvas finas na r...
22.02.18
Vazamento de água já dura 20 dias no...
22.02.18
Projeto Escola no Campo mudará a rot...
22.02.18
Municípios afetados debatem sobre a ...
22.02.18
Dra Stela Mota fala sobre ronco e ap...
22.02.18
Quinzena do preço baixo Lojas Estrel...
22.02.18
Já provou o delicioso açaí da Pastel...
22.02.18
VÍDEO: Supermercados Heling com ofer...
21.02.18
Maioria é contra a abertura do comér...
21.02.18
Foragido é preso por morte de idoso ...
21.02.18
Canguçu teve 1.192 demissões em 2017...
21.02.18
Inscrições na UFPel para estudantes ...
21.02.18
VÍDEO: Fabris Prestes, presidente da...
+
Lidas
1
Funerária Santo Antônio: 50 anos de experiên...
2
Já provou o delicioso açaí da Pastelaria Paz...
3
Realize sua ultrassonografia na Radiol...
4
Marmoraria Duarte: tudo em mármores, granito...
5
Saiba mais sobre o atendimento psicológico d...
6
Studio Stael Palivorda com ambiente climatiz...
7
Surpreenda-se com o conforto deste lindo est...
8
Médica veterinária Tainá Gonçalves fala de F...
9
Mundo Real com promoção volta às aulas...
10
LM Baterias com deslocamento grátis até 30 q...
  • Canguçu On Line
Canguçu On Line - O Jornal diário de Canguçu © 2018 - Todos os direitos reservados